ShakeUp Power 100

quarta-feira, 21 de março de 2007

Mágica: nosso PIB está 10,9% maior !

(Veja nova matéria relacionada e publicada em 23/03, 'Revisão do PIB não muda nota do Brasil')


Graças ao novo método de cálculo utilizado pelo IBGE, mais atualizado e completo, o valor do nosso PIB cresceu quase 11% de um dia para outro, tirando o Brasil da 15ª posição no ranking das nações e colocando-o milagrosamente na 10ª posição.
Obviamente que o primeiro comentário do Lula e seus asseclas foi um comparativo com os governos anteriores e, sem dúvida, esse será seu discurso daqui para frente, dizendo que ele e seu governo foram os responsáveis pelo magnífico milagre econômico representado pelos novos números.
E para a caterva governista isso será uma verdadeira festa que renderá muitos votos no futuro próximo, já que a população totalmente alienada com as 'bolsas disso e daquilo' e com o BBB não vai saber que essa necessária atualização da forma de cálculo não representa nenhum crescimento real, e que nos últimos 5 anos não avançamos quase nada em direção ao crescimento real da economia.
Vamos esperar e ver como serão os próximos discursos do governo.

GermanoCWB


Veja abaixo a íntegra de dua matérias a esse respeito e retirados do site do UOL.

Novo cálculo faz valor do PIB de 2005 ser 10,9% maior, indica o IBGE
UOL Economia - 21/03/2007
http://noticias.uol.com.br/economia/ultnot/2007/03/21/ult4294u384.jhtm

21/03/2007 - 10h50

Novo cálculo faz valor do PIB de 2005 ser 10,9% maior, indica o IBGE

Da Redação
Em São Paulo
 
Após o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) adotar mudanças na metodologia do cálculo do Produto Interno Bruto (PIB), as taxas de crescimento da economia referentes aos anos de 2000 a 2005 foram revistas e modificadas em relação ao anteriormente divulgado.O PIB de 2005, por exemplo, cuja expansão foi de 2,3% conforme a metodologia antiga, passou a ter uma taxa de crescimento de 2,9% e somou R$ 2,148 trilhões, com alta de 10,9% ante o valor estimado na série antiga (R$ 1,937 trilhão).Para 2004, quando a economia crescera 4,9%, a variação de crescimento foi modificada para 5,7% (de R$ 1,767 trilhão para R$ 1,941 trilhão, alta de 9,9%).No ano de 2003, a taxa de crescimento passou de 0,5% para 1,1%, com o valor alterado de R$ R$ 1,556 trilhão para R$ 1,7 trilhão, alta de 9,2%.Em 2002, o PIB sob a nova metodologia cresceu 2,7%, em vez do 1,9% como havia sido divulgado sob a metodologia antiga. Os valores do PIB passaram de R$ 1,346 trilhão para R$ 1,478 trilhão, na nova, avanço de 9,8%.Para 2001, o PIB apresentou alta de 1,3%, o mesmo percentual calculado pelo método anterior. No entanto, em valores absolutos, o PIB daquele ano passou de R$ 1,199 trilhão para R$ 1,302 trilhão no cálculo atual, ou 8,6% maior.Já a taxa de crescimento de 2000, antes em 4,4%, foi a única que recuo na série pesquisada, para 4,3% agora. Apesar disso, o valor corrente do PIB naquele ano foi recalculado para R$ 1,179 trilhão, com incremento de 7,1%, em relação ao valor anterior (R$ 1,101 trilhão).Os dados de 2000 a 2003 são definitivos. No caso de 2004, o PIB ainda passará por uma revisão, enquanto o de 2005 sofrerá mais revisões. A nova taxa de crescimento do PIB de 2006 será conhecida somente na quarta-feira da próxima semana, dia 28. Pela metodologia antiga, o PIB do ano passado cresceu 2,9%.

As modificações no cálculo do PIB afetam especialmente o setor de serviços, como administração pública, serviços financeiros, serviços de informação e aluguéis.

O novo método trabalha com mais fontes de informação e leva em consideração 110 produtos (antes eram 80) e 56 atividades econômicas (contra 43 da metodologia passada). Segundo o presidente do IBGE, Eduardo Nunes, isso permite fazer um cálculo mais preciso.

O novo método para contabilizar o desempenho da economia brasileira passou ainda a utilizar como fontes de dados as pesquisas anuais setoriais da Indústria, Comércio e Construção Civil do IBGE e as receitas declaradas das empresas à Receita Federal.

As mudanças de metodologia tiveram como base o ano 2000, mas o IBGE refez a série do PIB de 1995 a 1999 a partir desta base e incorporou as alterações.

Mudanças afetam contas do governo
As atividades do governo e do setor financeiro foram as mais sujeitas a mudanças no cálculo da nova série do PIB, segundo o IBGE. O consumo do governo, que antes contabilizava apenas o consumo intermediário (gastos de custeio) e as remunerações dos funcionários públicos, passa a contar com o consumo de capital fixo do setor, como prédios, máquinas e computadores.

Dessa forma, o valor total da produção do governo ficará maior em valores correntes, de acordo com o coordenador de Contas Nacionais do IBGE, Roberto Olinto.

CONHEÇA AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES





· Agora o cálculo inclui 56 atividades econômicas e 110 produtos. Antes eram 43 atividades e 80 produtos
· Pesquisas anuais de Indústria, Comércio, Serviços, Construção Civil e pesquisas domiciliares entram nas contas
· Imposto de Renda das empresas foi incluído
· Aumentou o peso do setor de serviços nas contas, indo de 56,3% para 66,7%
· As despesas de instituições sem fins lucrativos passam a contar
· Sai o setor de telecomunicações, entram os serviços de informação, o que inclui telecomunicações, consultoria em hardware, software, processamento de dados, atividade de banco de dados, distribuição online, cinema, rádio e agências de notícias
· As contas do governo, antes só com consumo intermediário (gastos de custeio) e salário de funcionários, passam a contar com consumo de capital fixo (prédios, máquinas e computadores). Isso aumenta os valores
· Os serviços financeiros incorporam os fundos de investimentos
· O cálculo dos serviços financeiros e de intermediação financeira vai usar dados como as tarifas bancárias e os ativos e passivos dos bancos
· O terceiro setor (ONGs, igrejas e clubes) passa a contar na área de consumo (ao lado de consumo das famílias, por exemplo)

A atualização da produção do governo, anteriormente feita com base no crescimento demográfico, passará a ser feita comparando os dados dos valores de um ano com os do ano anterior. Segundo Olinto, a metodologia anterior era criticada por amortecer o crescimento no setor de serviços, pois o crescimento populacional vem desacelerando.Outra modificação diz respeito aos serviços financeiros. Pela primeira vez, o segmento vai incorporar os fundos de investimentos financeiros, por meio de dados fornecidos pelo Banco Central.O IBGE também passará a calcular os serviços financeiros e de intermediação financeira de outra forma, utilizando dados como as tarifas bancárias e os ativos e passivos bancários. Antes, os serviços financeiros e de intermediação eram atualizados com base no crescimento médio do valor agregado geral da economia.O coordenador do IBGE não informou qual será o impacto de tais modificações metodológicas sobre o resultado do novo PIB de 2006, a ser divulgado no dia 28 deste mês.(Com informações do Valor Online e Agência Brasil)
Com revisão, PIB brasileiro em dólar sobe para 10º lugar

21/03/2007 - 12h26

Com revisão, PIB brasileiro em dólar sobe para 10º lugar

SÃO PAULO (Reuters) - A revisão do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro de 2000 a 2005 permitiu que o país ultrapassasse Índia, Austrália, Holanda e Coréia do Sul no ranking das maiores economias do mundo, segundo levantamento da Austin Rating.

Com as novas taxas divulgadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira, o Brasil passou a ocupar em 2005 a 10ª posição no ranking das maiores economias do mundo, considerando o PIB em valores correntes em dólar.Em 2004, o Brasil ocupava a 13ª posição nessa lista, levando em conta a nova metodologia.

O Brasil cresceu 2,9% em 2005, última revisão disponível. A taxa é superior à de 2,3% inicialmente divulgada.

"(A revisão) mostra que ainda há muito o que se aperfeiçoar com relação à contabilidade nacional, e mostra que as condições de crescimento do país são um pouco maiores que nos últimos anos", afirmou Alex Agostini, economista-chefe da empresa de classificação de risco Austin Rating."É necessário fazer investimentos na área de pesquisa, isso ficou muito claro.

"A Austin ressaltou que o Fundo Monetário Internacional (FMI) só divulgará a revisão do crescimento dos demais países no final de abril.(Por Nathália Ferreira)

3 comentários:

alexandre disse...

VAI LULA DEIXA ESSA ELITE DOIDA E CONTINUA PARA FRENTE.

alexandre disse...

eh triste ver que cidadaos nao queiram o sucesso do BRASIL.

alexandre disse...

TOMARA QUE OS PROXIMOS PRESIDENTES SIGAM O SISTEMA MILAGROSO DO GOVERNO LULA,ESTOU EM LONDRES E AQUI NAO SE ACENTUA AS PALAVRAS NO COMPUTADOR,

Postar um comentário

Agradeço muito seu comentário, porém comentários ofensivos, ou em CAIXA ALTA, ou escritos em miguxês, ou ainda em internetês serão deletados.

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Walgreens Printable Coupons