ShakeUp Power 100

quinta-feira, 14 de dezembro de 2006

Não há como o Brasil crescer 5% ao ano.

Leia também posts relacionados:

Em 21/03/07: 'Mágica: Nosso PIB está 10,9% maior'

Em 23/03/07: 'Revisão do PIB não muda nota do Brasil'

Não há como crescer 5% a curto prazo, avalia Ibre

Redação O Estado do Paraná [14/12/2006] Rio (AE) - Não há como alcançar no curto prazo um crescimento econômico sustentável de 5% ao ano, disse o diretor do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV) e ex-presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Luiz Guilherme Schymura. Ele adiantou o conteúdo da “Carta do Ibre”, texto com a opinião do instituto sobre o tema, que será divulgado esta semana.De acordo com Schymura, o governo está certo em se preocupar com o baixo crescimento, mas se arrisca a passar a falsa impressão para a sociedade que é fácil fazer o Brasil crescer 5% ao ano de forma sustentável. “O crescimento sustentável no Brasil depende hoje de uma extensa, profunda e difícil agenda”, avalia.

Schymura lembra que a média de crescimento do Brasil de 1981 a 2005 foi de 2,1% e cita estimativas de que este ano deve ser de 2,8%. De acordo com ele, a maior parte dos motivos para o baixo crescimento não é fácil de mudar no curto prazo e inclui fatores como a baixa escolaridade média da população brasileira. O governo, então, está tentando atuar na área em que os resultados se dão em um prazo mais curto, que é no aumento do investimento produtivo.

Para que a produção da economia em um ano, o Produto Interno Bruto (PIB), cresça a um ritmo de 5% ao ano, a taxa de investimento, que hoje está em torno de 20% do PIB, teria que subir, no mínimo, para 25% do PIB. “Isso significa R$ 100 bilhões de investimento a mais por ano. E como estamos falando de (crescimento) sustentável, esse acréscimo tem que acontecer todo ano, não é em um ano só”, ressalta Schymura. Ele não crê que as medidas em estudo conseguirão promover um aumento dessa magnitude no curto prazo.

O economista acha que as medidas que estão em estudo são em geral positivas. Observa, porém, que se o setor público todo, incluindo estatais, conseguir aumentar os seus investimentos em 1% do PIB “já é muito”. Além disso, diz, “não há nada que mostre” que o setor privado aumentaria os seus investimentos em outros 4% do PIB.

1 comentários:

Irene Maria Sandke disse...

Eu, particularmente, estou rezando para não crescermos. Caso a produção aumente, como vamos entregá-la?
Não temos estradas, os portos estão sucateados e dos aeroportos é melhor nem falar.

Postar um comentário

Agradeço muito seu comentário, porém comentários ofensivos, ou em CAIXA ALTA, ou escritos em miguxês, ou ainda em internetês serão deletados.

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Walgreens Printable Coupons